Confira na íntegra o discurso da Dra. Sara M. A. G. Bernardes, fundadora e reitora do IESLA, na Abertura dos Seminários e Simpósios Internacionais. - ESJUS - Escola Superior de JustiçaESJUS – Escola Superior de Justiça



Fale Conosco - Ligação Gratuita
0800 052 8800

Confira na íntegra o discurso da Dra. Sara M. A. G. Bernardes, fundadora e reitora do IESLA, na Abertura dos Seminários e Simpósios Internacionais.

Senhoras e Senhores, em estado de plenitude eu lhes dou as boas-vindas ao XXIII Seminário Internacional Transdisciplinar de Teses e ao XXIV Seminário Internacional de Teses da Área da Saúde. Os seminários fazem parte do calendário letivo da nossa faculdade, que foi idealizada com uma forte vocação para a Pesquisa Científica e a internacionalização. Parabéns por não negociar essa reunião inadiável entre você e o conhecimento.

Rememoro as palavras de Kant que legitimam nosso encontro:

“O Ser Humano é aquilo que a educação faz dele.”

Bem-vindos!

Ao longo desses 14 anos, somam-se 12 mil alunos integrantes da Pós-graduação Internacional. Mais de 1.300 teses já defendidas. Milhares de artigos publicados em algumas dezenas de periódicos pela Editora própria do IESLA. Prêmios compartilhados. Excelência no ensino, reconhecida no âmbito local, nacional e internacional. Mais de 15 milhões de pessoas impactadas pelo Grupo Educacional IESLA-ESJUS. Quase 2.000 professores doutores e mestres envolvidos direta e indiretamente com nossos projetos pedagógicos construídos de forma personalizada.

Sinto-me profundamente agradecida ao Criador e aos meus parceiros de jornada por tão vultosas conquistas permeadas por atos de resiliência e disciplina, constante análise de feedback para as tomadas de decisão – desde as mais singelas às altamente complexas, e estou segura de que a minha autoconfiança e a estima que prezo pelos meus patrícios pavimentou a construção sólida do Grupo Educacional IESLA-ESJUS.

Lá no início de tudo, em 2006, por algumas vezes, alguns amigos juristas comentavam o fato de eu ter deixado o sonho da magistratura para me dedicar ao empreendimento educacional. Decidi não ser a juíza, mas, sim, formar profissionais aptos a tornarem-se juízes, empreendedores, administradores, pedagogos, médicos, designers de Inovação, arquitetos, engenheiros, gestores, heads, líderes, profisisonais de Big Data, Tecnólogos da Informação, biotecnólogos, professores, mestres e doutores. E, por isso, debrucei-me a estudar, pesquisar e investigar, para além da área jurídica, e rapidamente apreendi outros saberes, vinculando-me de alguma forma a pesquisas e estudos relacionados à epistemologia da educação, ciências sociais, psicologia, behaviorismo, neurociências, gestão educacional, tecnologias e inovação modelando o meu currículo interdisciplinar o que possibilitou a expansão da minha visão para o empreendimento IESLA-ESJUS. Sinto-me alinhada ao pensamento de Paulo Freire: “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.”

São milhares os brasileiros que se dessedentam à fonte de conhecimento ofertado através de um portfólio denso e gradual, que ostenta mais de 100 cursos desde a Graduação até o Doutorado em todas as áreas do conhecimento.

Orgulho-me de ter idealizado o projeto de cada departamento, os fluxogramas de cada setor, de ter participado ativamente da construção dos Projetos Pedagógicos e currículos dos 40 cursos próprios da nossa Faculdade (incluindo três mestrados), cursos diferenciados apresentados em ‘currículo por competências’ – uma vez que institucionalizamos a pedagogia das competências, com o objetivo de promover o encontro entre formação e emprego; e cada conjuntura das estruturas orgânicas harmônicas que perfazem um organograma complexo (mas fluido) de uma grande instituição de ensino superior. Criar do ZERO uma grande universidade não prescinde alguns atos medievais, como: “matar um leão” (por dia? Não!) matar um leão a cada hora. Somos verdadeiros equilibristas de uma agenda de trabalho intelectual 24/7, anos a fio. Talvez, assumo, eu tenha criado um dos mais singulares modelos de gestão acadêmica, já idealizados no Brasil. Cuja fórmula, se é que há, eu a mantenho em sigilo, ao menos por enquanto. Tal projeto estratégico me levará a transformar nosso Grupo Educacional em um Centro Universitário em apenas dois anos. Minha inspiração são as pessoas. A transformação é feita pelas pessoas. O maior ativo desse século são as pessoas dispostas a gerar transformação. Essa diversidade miscigenada do nosso Brasil. Todos vocês contribuem para as minhas reflexões e projetos. Eu convido vocês para renunciarmos a disputas políticas e avaliarmos se somos capazes de ter uma discussão sensata sobre que tipo de sociedade realmente queremos viver.

Certa vez um desembargador do TJ/SP me disse: Drª Sara, deve ser algo maravilhoso não receber ordens! A senhora trilha uma jornada de crescimento tomando decisões originais e muito acertadas. Ao que imediatamente lhe respondi: Olha, elegi a prática da espiritualidade que tem me permitido direção e clareza na tomada das minhas decisões. E quanto ao comando no âmbito material, quando vejo meus compatriotas à mercê do caos, isso soa como um elevado comando para que eu ponha a mão na massa e lhes entregue (gratuitamente até) os estudos que os levarão a se tornarem as mentes pensantes que modificarão a sua própria realidade e a do outro também! Quando eu visualizo estatísticas que apontam a penosa realidade de que o Brasil encerra, anualmente, a atividade de mais de 50% das empresas constituídas, recebo o imperativo – O brasileiro precisa se capacitar mais! – eis os cursos de gestão de tributos, gestão de pessoas, gestão de negócios, compliance, ética profissional, e outros – à sua disposição, brasileiros!

O PIB da China era metade do nosso há 20 anos. A China inovou ao se mergulhar no mercado global, reforçou o comportamento de ordem (disciplina), e não para de crescer. Hoje o PIB do Brasil representa apenas 20% do PIB da China.

E já sabemos aonde esse raciocínio nos levará!

Se os profissionais egressos das instituições educacionais não estão aptos para atender esse mercado global cada vez mais exigente, é porque o processo de melhoria na qualidade deve passar previamente por nossas salas de aula.

O jogo mudou com o advento da tecnologia. Hoje tudo é algoritmo. E em breve Autorizarei Engenharia de Software em nossa Graduação para somar aos mais 14 cursos de graduação que autorizei junto ao MEC, bem como os 22 cursos de Pós-graduação que criei e estão disponíveis à sociedade brasileira. E em breve anunciaremos os quatro mestrados próprios já em análise pela CAPES.

Frequentemente tenho dito aos meus alunos no MBA: pesquisar e desenvolver soluções inéditas para os Problemas apresentados na atual Sociedade de Consumo, em que o poder está nas mãos do consumidor, é uma tarefa altamente complexa. O fenômeno da globalização encorpa esse cenário enquanto promove transformações em altíssima velocidade.

E quando vejo a educação a distância tomando proporções tão alarmantes (e sem qualidade), tenho que afirmar o que sempre cri: não existe verdadeira educação superior sem a pesquisa e a investigação científica. E se planejamos escalar a educação, é preciso escalar a pesquisa e a investigação.

É aqui que introduzo a mentalidade do Conselho Nacional de Educação – CNE em concordância com minha percepção do setor educacional: devemos focar em investigação científica aplicada à Didática do Ensino.

Ao longo desses 14 anos o IESLA-ESJUS vem contribuindo de forma robusta ao aporte científico brasileiro. A Pesquisa é parte essencial de nossos projetos educacionais.

O presidente do Conselho Nacional de Educação-CNE, Luiz Roberto Liza Curi, colocou muito bem em uma Sessão Plenária em que participei recentemente, “precisamos melhorar a qualidade de nossas licenciaturas. Não vamos gerar a educação em escala se não revermos as pesquisas e investigações científicas também em escala”. Ele foi feliz quando asseverou: “Eu não concordo com o termo “simplificação”, mas, sim, com ações que devem gerar complexidade, no sentido de zelar pela aprendizagem e formação do aluno, que também retroalimente a pesquisa.”

Sabendo que a educação superior particular forma 75% dos profissionais para o mercado de trabalho, devemos melhorar significativamente a qualidade das licenciaturas, elevando os coeficientes de qualidade dos cursos e consequentemente o perfil do egresso.

Temos, às nossas portas, a 5ª Revolução Industrial (Tecnológica) e uma educação dos anos 70!

Pesquisas do MIT revelam que 80% das tecnologias que utilizaremos daqui a dez anos são desconhecidas.

2/3 das ocupações que teremos daqui a dez anos são desconhecidas hoje.

Precisamos analisar os métodos atualmente aplicados à Didática no Ensino em todos os níveis e modalidades (presencial, à distância, híbrido), mas principalmente no âmbito da educação superior.

É por isso mesmo que estou implantando a linha de pesquisa Didática no Ensino Superior aqui na Faculdade, e irei dirigir esse Núcleo de Pesquisas.

Quero fazer um apelo àqueles que ainda estão na fase inicial dos seus Projetos de Tese, convidando-os a direcionar suas pesquisas científicas à Didática do Ensino.

E, a partir de pesquisas e estudos que desenvolvi, redigi alguns temas sugestivos para aqueles que vierem a se aderir à linha de pesquisa Didática no Ensino Superior. (os temas se encontram em suas pastas de trabalho).

No mais, vocês vivenciarão três dias de crescimento exponencial durante os 23º e 24º seminários. São Cinco Palestrantes Internacionais, 15 Palestrantes Nacionais, 80 Tutorias Individuais para mestrandos e doutorandos.

Paralelamente estarei dirigindo dois cursos de Capacitação de Docentes:

– Capacitação em Neurociências Aplicadas à Educação

– Capacitação em Negociação, Mediação e Conciliação.

E para aqueles que ainda estão na Fase do Projeto de Tese: as linhas iniciais de um esboço de projeto, diz pouco (ou nada) do que o projeto final aprovado, de fato, norteará os rumos da tese. Tal qual quando iniciei o projeto educacional do IESLA-ESJUS. O esboço inicial não compreendia nem 5% do projeto em evolução.

Pense Grande para formar seu capital intelectual!

Reuni nestes seminários os melhores metodólogos das Américas e estamos aptos a conduzir você pelos Métodos de pesquisa [indutivo (Francis Bacon), dedutivo (Aristóteles), hipotético-dedutivo (Karl Popper)], e auxiliá-los eficazmente na produção científica.

As palavras de Tomas Edison sempre ressoam vívidas em meu interior: “você mesmo remove as barreiras impossíveis”. Então projete na sua mente a postura de vencedor recebendo em suas mãos o seu diploma de mestre ou doutor.

Desfrutem os nossos eventos!

Dra. Sara M. A. G. Bernardes

Fundadora Presidente e Reitora do Grupo Educacional IESLA-ESJUS.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Temas relacionados à Linha de Pesquisa Didática no Ensino Superior dirigidas pela Dra. Sara M. A. G Bernardes.

– A DIDÁTICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DISCENTE NO ENSINO SUPERIOR

– A DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR À DISTÂNCIA

– A DIDÁTICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO

– A DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL (OU ESPECIFICAR ALGUMA REGIÃO/CIDADE/ESTADO)

– A DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR CONTEMPORÂNEO: PARADIGMAS E TENDÊNCIAS

– A DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR E O PERFIL DOCENTE NO SÉCULO XXI

– REFLEXÕES E PERSPECTIVAS SOBRE A DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

– REFLEXÕES E PERSPECTIVAS SOBRE A DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

– O PROFESSOR MENTOR E A DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR

– COMPETÊNCIAS SOCIOEMOCIONAIS E DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR

– NEUROCIÊNCIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO SUPERIOR

 

 

 

Esjus - Escola Superior de Justiça
Avenida Miguel Perrela, 698, 2° Piso.
Castelo – Belo Horizonte – MG – CEP: 31.330-290
Telefones: 31 2513-8800 - 0800 052 8800